Soja deve render 60 sacas por hectare em Palmeira

por Pedro Niácome, 22/02/2016 às 09:12 em Rural

Enquanto as lavouras de milho e feijão são colhidas no Rio Grande do Sul, atingindo respectivamente 35% e 70%, as culturas da soja e do arroz seguem em desenvolvimento, beneficiadas pelos condições climáticas do momento. De acordo com o Informativo Conjuntural elaborado pela Emater/RS-Ascar, as altas temperaturas, radiação solar abundante e umidade do solo adequada aceleram o crescimento do milho e garantem o potencial produtivo das lavouras em enchimento de grãos. A produtividade média do milho no RS já apresenta aumento em relação à estimativa inicial e com ótima qualidade comercial. 

Na soja, as lavouras vêm apresentando desenvolvimento dentro do esperado, com expectativa de uma ótima safra. Apesar da baixa incidência de pragas, em decorrência do controle preventivo e do clima favorável ao controle natural, os produtores gaúchos continuam aplicando fungicidas para controlar as doenças de final de ciclo. Atualmente, a cultura da soja no RS encontra-se nas fases de desenvolvimento vegetativo (17%), floração (36%), enchimento de grãos (45%) e maturação (2%), com bom estande de lavouras.

Em Palmeira das Missões a grande maioria das lavouras se encontra em fase de enchimento de grãos. De acordo com o engenheiro agrônomo Felipe Lorensini ocorreram períodos sem precipitações, mas que pouco comprometeram o potencial produtivo. “A expectativa de produtividade é uma média de 60 sacas por hectare, isso considerando as variedades precoces que tem um potencial produtivo inferior e foram mais afetadas pela estiagem”, afirma.

No caso da lavoura de 230 hectares de soja do produtor Gustavo Heller Nietiedt, o veranico de aproximadamente 18 dias ocorrido em janeiro afetou a produção em vários estágios, mas com a normalidade de chuvas das últimas três semanas o prejuízo retrocedeu em muito. “Prevejo uma quebra de 10% em cima de um patamar máximo de produtividade. Hoje a cultura está granando bem e com um adequado enchimento de grãos. Ano passado atingimos números recordes em produtividade, acredito em 10% de quebra sobre esses números, mas ainda acima das médias históricas registradas”, conta Gustavo, que inicia a colheita daqui a 20 dias. O produtor enfatiza que foi muito bom o trabalho de manejo de doenças e pragas dos agricultores em geral, mesmo nos períodos de veranico. “A partir do ano passado muitos tiraram como lição que se formos extremamente técnicos no manejo da cultura ela apresenta potencial além do que imaginaríamos algumas décadas atrás”, garante. 

CRIAÇÕES

O clima também tem favorecido a produção leiteira, pois as pastagens anuais de verão apresentam boas condições de pastejo. Além das pastagens para alimentar os animais, os produtores estão utilizando silagem, feno, grãos, farelos e ração. As condições sanitárias e nutricionais são adequadas, e os produtores seguem o combate às verminoses e o controle de mamites e carrapatos.

As elevadas temperaturas prejudicam o desempenho de animais em produção, especialmente os da raça Holandesa, que consomem até 20% a menos de forragem. Nesse sentido, os agricultores devem ficar atentos para o fornecimento de água e o acesso dos animais à sombra.

O rebanho ovino melhorou muito no último período, especialmente após a fase de esquila e com o clima seco, que diminuíram os problemas de doenças de casco. Os ovinos ganharam peso, possibilitando aos pecuaristas ofertarem boas quantidades de animais para o abate. Segue no Estado a temporada reprodutiva dos rebanhos. Este não é o manejo mais recomendado, porém é o mais empregado. A época recomendada é após a primeira quinzena de março, proporcionando uma temporada de nascimentos após os rigores do inverno.

Na piscicultura, há alguns registros de perdas de peixes em função de deficiência de oxigenação dos açudes, em decorrência de dias quentes e abafados. Os técnicos dos escritórios municipais da Emater/RS-Ascar estão orientando aos agricultores para que melhorem a renovação de água, diminuam a alimentação neste período e optem pelo uso de aeradores, inclusive artesanais. Em todo o Estado, os criadores estão fazendo reservas de alevinos para povoamento dos tanques e planejando o próximo ano. Os municípios estão se organizando ainda para a realização das feiras de peixe no período da Páscoa.  

Camila Scherer/TP

Foto: Gustavo Heller Nietiedt

Tags:   colheita-soja   palmeira-das-missoes   produtividade



 

Tribuna da Produção

- O conteúdo faz a diferença - 

Desenvolvido por:

Ligue Site