Carreata Bíblica será realizada em dezembro

20/11/2020

Quarenta e seis anos passaram desde o dia em que um Grupo de Jovens, conhecido como UJC- União de Jovens Cristãos iniciaram a caminhada até a Capela de Nosso Senhor Bom Jesus. O tempo passou e hoje o grupo que contava com aproximadamente 20 caminhantes passou a contar com mais de 10 mil pessoas, que peregrinam agradecendo graças recebidas e fazendo pedidos de bênçãos, curas e conquistas.

Neste ano de 2020, a caminhada que sempre acontece no último fim de semana do mês, será realizada em dezembro. O motivo, a Covid-19, que está assustando, vitimando todas as populações, interferindo nas realizações, nas programações que envolvem grande número de pessoas, é preciso promover, incentivar o isolamento social.

Sabiamente o Pároco Padre Nildo Moura de Melo, tomou a decisão de transformar a caminhada em carreata. Desta forma os fiéis que anualmente participam da caminhada poderão participar da carreata com a mesma fé, com a certeza de que Deus que tudo sabe e está em todo lugar, estará também em cada um, em cada uma.

O tema deste ano é “Somos Todos Irmãos”. Recorda aos homens que para Deus não há distinção entre as pessoas e que todos são filhos de um mesmo Pai. Irmãos não devem ficar contra irmãos. Os irmãos sentam-se ao redor da mesma mesa, dialogam, ajudam-se, crescem juntos, construindo um reino onde Deus é o centro e o irmão também

Para nos recordar a importância do “outro”, Papa Francisco lançou em outubro, na festa de São Francisco de Assis, a encíclica "Fratelli Tutti" (Todos irmãos). Na encíclica Papa Francisco cita o poeta brasileiro Vinícius de Moraes: "A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro na vida". E acrescenta: "Já várias vezes convidei a fazer crescer uma cultura do encontro que supere as dialéticas que colocam um contra o outro. É um estilo de vida que tende a formar aquele poliedro que tem muitas faces, muitos lados, mas todos compõem uma unidade rica de matizes, porque o todo é superior à parte. O poliedro representa uma sociedade onde as diferenças convivem integrando-se, enriquecendo-se e iluminando-se reciprocamente, embora isso envolva discussões e desconfianças. Na realidade, de todos se pode aprender alguma coisa, ninguém é inútil, ninguém é supérfluo. Isto implica incluir as periferias. Quem vive nelas tem outros pontos de vista, vê aspetos da realidade que não se descobrem a partir dos centros de poder onde se tomam as decisões mais determinantes" (215).

Que todos nós possamos ver no rosto do irmão, o rosto de Deus. Que possamos ver em cada um, a imagem e semelhança de Deus. Somos todos filhos do mesmo Pai. Somos convidados a rezar uns pelos outros e também participar da carreata, uma forma de aumentar a nossa fé.

Cleusa Medianeira da Cruz Bueno – PASCOM